quarta-feira, 5 de setembro de 2007

Nightwish "Dark Passion Play"


Já consegui ouvir o suficiente para ter uma opinião, apesar de não ter sido uma tarefa fácil: não pela qualidade, mas pelo tempo. São 13 músicas em + de 70 minutos. Esse é o grande mal do CD: fica difícil assimilar, de primeira, qualquer trabalho nesse formato. Até você assimilar tudo e ter uma opinião, várias audições se vão.
O disco realmente só sai dia 28/09/07, mas já tem aos montes na internet. Baixei o disco quase no fim de Agosto (me esqueci de procurar antes), o que quer dizer que as pessoas, bem antes disso, já tinham o album na mão para ouvir. Antes de falar do disco, fica a pergunta: Se o disco já estava pronto no fim de maio (quando foi anunciada a nova vocalista) porque esperar 4 meses para lança-lo, deixando-o a mercê da pirataria? Depois estes caras reclamam da vida... Nestes 4 meses, quantas pessoas já possuem o disco? Destas tantas, quantas realmente vão comprá-lo? Acho isso uma manobra muito arriscada, pois a internet hoje simplesmente acabou com o elemento surpresa.
Quanto ao disco em si, lados positivos e negativos, mas com um saldo muito bom no fim das contas. Vou falar inicialmente do maior problema do CD (e não é a nova vocalista): as partes sinfônicas. Gravado com orquestra e coral de vozes no fantástico Abbey Road, em Londres, tudo é grandioso no disco. Em alguns momentos, a grandiosidade sinfônica é tanta que encobre a banda. Na 1ª faixa, "The Poet and the Pendulum", que tem quase 14 minutos de duração, isso fica mais evidente. Chega a ser difícil ouvir a voz de Annete no refrão da música, tamanha a embolação de banda e orquestra. Deste modo, as melhores músicas acabam sendo aquelas onde a coisa é mais dosada e equilibrada.
Annete Olzon mostra-se uma escolha acertada para a banda. Já falei aqui que Tuomas arriscou mudar, e acertou. Apesar de não possuir uma voz potente como a da sua antecessora (Tarja Turunen), Annete é versátil e detentora de um belo timbre, conseguindo tornar agradável a audição das músicas. Entretanto, é evidente que seu talento lírico é bem tímido e pouco explorado ao longo disco. Fica aqui a dúvida de como soarão as músicas antigas na voz dela. Com certeza vão ficar diferentes, só não sei se o suficiente para agradar aos fãs mais radicais, que até hoje contestam a entrada de Annete.
Outro detalhe importante é a maior presença das guitarras no album, com alguns momentos bem pesados. Definitivamente, este é o disco mais pesado do Nightwish. Destaques? As melhores são "Amaranth" (cujo vídeo foi postado aqui, maravilhosa) "Cadence Of Her Last Breath", "Sahara" (pesadona) e "For The Heart I Once Had" (apesar do acento Pop, muito legal).
De negativo (ou menos legal, digamos), temos "Bye Bye Beautiful" (muito parecida com "Wish I Had An Angel" do CD "Once", e que não é lá essas coisas), "Eva" (baladinha burocrática - nesse ponto, Tarja era imbatível, pois colocava emoção como poucas nas músicas mais lentas) e "Master Passion Greed" (que tem uma base rápida muito manjada).
No fim das contas, o resultado é muito positivo. O disco é legal de se ouvir (apesar de longo), Annete é carismática e boa cantora e a banda está mais afiada do que nunca. Resta aguardar o o lançamento oficial do disco (quem sabe com uma equalização/masterização melhor), o início da turnê mundial e descobrir se a banda ainda será boa também no palco. Em tempo: o Brasil está na rota da banda em 2008!

Segue o tracklist do álbum:
1) 'The Poet And The Pendulum'
2) 'Bye Bye Beautiful'
3) 'Amaranth'
4) 'Cadence Of Her Last Breath'
5) 'Master Passion Greed'
6) 'Eva'
7) 'Sahara'
8) 'Whoever Brings The Night'
9) 'For The Heart I Once Had'
10) 'The Islander'
11) 'Last Of The Wilds'
12) '7 Days To The Wolves'
13) 'Meadows Of Heaven'

Nenhum comentário: