terça-feira, 18 de março de 2008

Sem Trânsito

Dando continuidade a série "Do que jeito que somos, nunca chegaremos a 1º mundo", gostaria de expor aqui minha perplexidade com o que está contecendo com o nosso trânsito de um modo geral, combinado com o tratamento das autoridades (?) ao transporte público. Ocorre que, tal qual São Paulo, estamos quase parando. Claro que ainda não chegamos ao caos estático da terra da garoa, mas estamos a passos largos para chegar lá. A cada dia que passa, fica mais difícil se locomover pela capital carioca sem se deparar com enormes congestionamentos, face a imensa quantidade de carros na frota atual. Enquanto nosso glorioso governo só pensa no quanto melhorou a vida do povo liberando crédito a perder de vista, nada é feito no sentido de criar-se soluções urbanas para o nó que esta o trânsito. Não basta comemorar a facilidade de compra de automóveis, é preciso pensar em como acomodar a frota sem que tudo pare, ou melhor, pensar em um sistema de transporte público bom o suficiente que faça com que todo mundo não tire o carro de casa ao mesmo tempo, indo para o mesmo lugar.

É óbvio que o transporte urbano no Rio de Janeiro apresentou sensível melhora de uns para cá, com carros mais modernos e refrigerados (emboras mais apertados). Apesar disso, a frota ainda é insuficente, o que força os proprietários de automóveis a retirarem os veículos das garagens e onerarem o tráfego cada vez mais. Mais carros, menos espaço e nenhuma estrutura, formam a trinca perfeita para um transito problemático. A Av Brasil, por exemplo, cada vez mais cedo pela manhã já apresenta um trafego numeroso, o que não acontecia há algum tempo atrás.

Com a insuficiencia do transporte público, tivemos o surgimento de um grande mal, e esse é o ponto ao qual queria chegar: kombis e vans. Eu chego a dizer que a situação hoje atingiu por ponto irreversível, tamanha a quantidade de carros destes tipos andandos pela cidade, quase na sua totalidades ilegais. Esse tipo de transporte conta com 3 vantagens soberanas sobre o transporte público:
1) São mais baratos;
2) Não seguem linhas regulares no que se refere a trajeto, sendo flexíveis o suficente para serem mais rápidos que os onibus comuns, por exemplo;
3) Tem uma oferta muito maior.
Isso foi suficente para que a população os abraçassem com todas as forças, fazendo com que as empresas de ônibus amargassem prejuízos constantes, face a migração para o transporte alternativo.

O problema é que o governo deixou a coisa chegar a um tal que é praticamente impossível reverter o quadro atual. Por conta disso, as diversas ações do Detro pela cidade para coibir o transporte ilegal me parecem atitudes caça-níquel, uma vez que as multas são altíssimas. Apesar do grande número de multas e apreensões, o problema está longe de ser resolvido. Kombis e Vans também contribuem para as estatísticas de veículos no transito, e pior, de maneira perigosa. Não é raro ver acidentes fatais envolvendo este tipo de transporte, uma vez que a "independência" de trajeto faz com haja verdadeiras "corridas" para ida e volta, na expectativa de maior faturamento em mais viagens. Para se ter uma idéia, basta observar o verdadeiro balé que ocorre na pista seletiva da Av Brasil, onde vans entram e saem da pista para driblar os radares, nem sempre com a maior cautela do mundo.

O problema é complexo: envolve governo, educação no trânsito, oportunidade de trabalho, legislação eficiente e punitiva, corrupção e um monte de outros fatores entranhados em nossa sociedade, com poucas possibilidades de mudança ou evolução. Enquanto isso, não saímos do 3º mundo, nem no trânsito, porque ele não anda.

Nenhum comentário: